Publicidade


Justiça determina União e Pernambuco a fornecerem canabidiol para criança de 8 anos com TEA

10 maio 2022|Postado em:Notícias


Publicidade



 

Justiça determina União e Pernambuco a fornecerem canabidiol para criança de 8 anos com TEA

Ganha força no Brasil o uso do canabidiol – Foto: Pixabay

Paciente já havia tomado outros fármacos para o tratamento, mas sem sucesso

Uma decisão da Justiça Federal em caráter de urgência obriga o Estado de Pernambuco e a União a fornecerem a uma menina de oito anos diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista (TEA) grave o medicamento canabidiol, derivado da maconha.

De acordo com o Ministério Público Federal em Pernambuco (MPF), a paciente já havia tomado outros fármacos para o tratamento, mas sem sucesso.

O fornecimento do canabidiol 200 mg/mL, que não está incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS), será feito durante todo o tempo necessário de tratamento segundo a decisão judicial.

A responsável pelo caso é a procuradora da República Carolina de Gusmão Furtado. A mãe da paciente havia recorrido da decisão da 1ª instância do Juizado Especial Federal Cível, que havia negado o fornecimento do remédio.

Na argumentação, o MPF destaca que laudos médicos indicaram que a menina já havia sido submetida a diversos tratamentos farmacológicos sem sucesso e que resultaram em graves efeitos colaterais.

Apesar do acompanhamento médico, a criança desenvolveu comportamento de agressividade e autoagressividade e tem crises desde 2016. Diante do quadro, a prescrição foi de, portanto, uso do canabidiol 200 mg/mL por tempo indeterminado.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) e o Ministério da Saúde e aguarda retornos.

Requisitos

De acordo com a turma de Juizados Especiais, requisitos para a concessão de medicamento não incorporado ao SUS estão presentes no caso, como a incapacidade financeira da família. “A mãe da paciente está desempregada e comprovou não ter condições de arcar com a medicação”, destacou o MPF, em nota.

Há ainda a comprovação médica da imprescindibilidade do medicamento e da ineficiência dos outros fármacos já usados – como quetiapina, aripiprazol, divalproato de sódio, risperidona e metilfenidato

Importação autorizada

Outro requisito contemplado no caso refere-se à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de outubro de 2021, que indica ser dever do Estado fornecer medicamento que, embora sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tenha a importação autorizada.

Na decisão, a 1ª Turma Recursal destacou que “a própria Anvisa retirou o canabidiol do rol de substâncias proibidas no Brasil, e permitiu a importação de produtos derivados da cannabis, por pessoa física, para uso próprio em tratamento de saúde, desde que haja prescrição de profissional legalmente habilitado”.

Fonte: Folha de Pernambuco

Compartilhe:

Deixar uma resposta


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*


%d blogueiros gostam disto: